Tratando câncer, Pelé é acusado de ser o pai biológico de mulher desconhecida; Justiça determina exame de DNA

O ex-jogador de futebol Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, é parte em um processo de investigação de paternidade que tramita no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. A autora da ação é a pessoa de Maria do Socorro Azevedo, assistida pela Defensoria Pública paulista. O processo foi distribuído na 1ª Vara da Família e Sucessões de Itaquera.

De acordo com uma decisão judicial proferida nos autos do processo, Pelé deverá ser submetido a exames de DNA a fim de apurar a existência ou não de compatibilidade com o material genético da mulher. O ex-jogador ainda não foi citado da ação e, caso queira, poderá acionar os seus advogados de defesa com o fim de não ceder à coleta sanguínea caso não queira colaborar com o processo.

LEIA TAMBÉM:  Luto: Morte de atriz da Globo é confirmada, ela estava internada no Rio de Janeiro

O ex-jogador está com 81 anos e pode receber a visita dos agentes do Instituto de Medicina Social e de Criminologia de São Paulo (Imesc) em data e horário previamente agendados para a coleta do material. Até o momento, a assessoria de imprensa de Pelé ainda não se manifestou oficialmente sobre as acusações de paternidade que pairam sobre o ex-atleta.

LEIA TAMBÉM:  Grávida de 23 anos vai à hospital dar à luz e tem olho saltado após colocar muita força; médico se assustou

Em sua vida, Pelé já viveu outro escândalo de paternidade. Na década de 1990, Sandra Regina Machado Arantes do Nascimento foi capaz de provar na Justiça que o ex-jogador era o seu pai biológico. A mulher acabou falecendo no ano de 2006 após sofrer complicações oriundas de um câncer.