Quanto recebem por mês as jornalistas mais conhecidas da TV Globo; valores impressionam

Poliana Abritta, Maju Coutinho, Ana Paula Araújo e Renata Vasconcellos são conhecidas em todo país, e ao longo dos anos conquistaram o sucesso e a admiração de um grande público. Atualmente, as comunicadoras trabalham na TV Globo, considerada uma das maiores emissoras do país.

O salário das profissionais há muito tempo era uma incógnita e despertava a curiosidade do público. Mas de acordo com o site Metrópoles, as jornalistas são muito bem pagas na emissora, comparado ao salário pago por outros veículos de comunicação.

Figura conhecida na imprensa e âncora do Fantástico, Poliana Abritta, tem salário estimado em 200 mil reais. No entanto, de acordo com o site Na Telinha, a comunicadora receberá menos devido à implementação do novo teto salarial. Segundo o site, as emissoras devem definir o salário dos jornalistas que atuam como apresentadores entre 30 mil reais e 50 mil reais.

LEIA TAMBÉM:  Jenny publica carta aberta após ser detonada por Gretchen: ‘mais uma vez abandonada’

Maju Coutinho ganhou destaque no Jornal Hoje, e agora atua no Fantástico nas noites de domingo, programa que tem repercussão nacional ainda maior. A apresentadora ganha atualmente cerca de R$ 60 mil por mês.

Ana Paula Araújo é uma das jornalistas mais versáteis da Globo, por exemplo, esta semana substituiu Renata Vasconcellos no Jornal Nacional, além de ser âncora do Bom Dia Brasil. Segundo Felipeh Campos, do programa A Tarde é Sua, Ana Paula é a âncora que ganha menos entre as colegas ​​que apresentam os principais telejornais. Segundo o colunista, Ana Paula recebe cerca de R$ 40 mil por mês, pode parecer muito, mas acaba sendo um valor baixo na tabela salarial da Globo.

LEIA TAMBÉM:  Garota atropelada por Luisa Mell em 2008 está em estado vegetativo há 13 anos e nunca foi ajudada, diz família

A âncora do Jornal Nacional, Renata Vasconcellos, recebe entre 300 mil e 500 mil reais. Quanto às alterações salariais dos jornalistas, entende-se que, em 2020, todas elas tenham sido reduzidas em 25% devido ao Benefício Emergencial de Emprego e Renda (BEm), que terminou em 1º de janeiro.