Homem que estava em lancha atingida por paredão detalha momentos de pânico: ‘Foi assustador’

Tragédia que aconteceu em Capitólio, cidade turística do interior de Minas Gerais, repercutiu nas redes sociais deixando os internautas assustados com as imagens do acidente que foi registrado pelos próprios turistas. O deslizamento de pedra que matou 10 pessoas no Lago de Furnas aconteceu no começo da tarde deste último sábado, 8 de janeiro.

Um dos sobreviventes da tragédia é morador de Jaú, estado de São Paulo. Ele estava em uma das lanchas que foi atingida durante a queda do paredão. Em uma entrevista, Michel Leite Neves, de 31 anos, contou estar dentro de uma embarcação com mais quatro familiares. Segundo o homem, ele notou que pequenas pedras caiam e chegou a questionar o condutor da lancha se isso era normal. O sobrevivente ressaltou que não ouviu pessoas pedindo para se afastarem em virtude do forte barulho da cachoeira.

LEIA TAMBÉM:  Mãe se depara com blusa da filha desaparecida há 4 meses no quintal de casa: ‘Suja de terra’

O rapaz disse que o condutor da lancha explicou que a queda das pedras era algo recorrente. No entanto, pouco depois, Michel relatou que uma pedra maior se desprendeu do paredão. O piloto, então, começou a se afastar do local. Foi quando Michel percebeu que a pedra tinha se desprendido. Segundo o sobrevivente, foram momentos de pavor e o condutor da lancha acelerou para tentar salvá-los do acidente.

LEIA TAMBÉM:  Xuxa conta o que Didi fez com ela quando ainda não era famosa e cita o nome da esposa de Renato Aragão

O paredão já estava caindo e, segundo Michel, a sorte foi que o piloto da lancha teve a percepção e como a embarcação era menor e mais rápida, eles felizmente conseguiram escapar, sofrendo apenas ferimentos leves. Somente sua sogra sofreu fratura exposta e teve que ser submetida a um procedimento cirúrgico no cotovelo. A família se recupera, porém, a sogra vai ter que passar por mais uma cirurgia.

LEIA TAMBÉM:  Avião cai no Maranhão e autoridades confirmam informações

“Foi assustador. Na hora, a gente imagina que está morrendo. Não tem como descrever o sentimento, foi a pior sensação da minha vida. Estamos bem abalados, chocados. É um trauma inexplicável”, desabafou. A marinha vai investigar as causas que levaram a tragédia.