Após 29 anos do crime, Justiça determina que assassinos de Daniela Perez paguem pelo que fizeram

Em 1992, um crime específico chamou a atenção do Brasil inteiro, saindo em vários veículos de comunicação na época. Trata-se do assassinato brutal da jovem atriz Daniela Perez, filha da famosa autora Glória Perez.

Daniela tinha apenas 22 anos quando foi morta por Guilherme de Pádua, que na época do assassinato estava atuando como um dos protagonistas de uma novela de Glória, fazendo par romântico com a filha da autora. Paula Tomáz, que era esposa do galã, foi considerada cúmplice do crime.

LEIA TAMBÉM:  "Sobrevivo com o meu salário" Carlos Alberto expõe não ter mais nada em seu nome

Quase três décadas se passaram desde o acontecimento e, nesta semana, o caso teve um novo capítulo. Acontece que a Justiça determinou que os culpados pela morte de Daniela paguem uma indenização para a mãe da vítima.

As informações foram divulgadas nesta manhã pelo portal Aarontora, que disse que o valor determinado pelas autoridades responsáveis é de R$ 480 mil. A Justiça deu ainda ordem de execução de penhora do atual apartamento de Paula e seu atual marido, Sérgio Rodrigues Peixoto. Eles alegam falta de fundos e tentam reverter a decisão.

LEIA TAMBÉM:  Ex-mulher de Zezé Di Camargo se cansa e conta ‘segredo’ da nova esposa: ‘Vivia escondida’

Os autos do processo envolvendo o assassinato de Daniela Perez afirmam que Gloria solicitou o cumprimento de pena por danos morais em decorrência de uma vitória contra os assassinos da filha em 2002.

O juiz determinou que Paula e o ex-marido deveriam indenizar Gloria com o valor de 500 salários mínimos. Porém, na época, a mulher afirmou que não tinha dinheiro suficiente para conseguir pagar essa quantia à autora. A Justiça havia compreendido a situação de Paula, reconhecendo a falta de recursos, mas a mãe de Daniela foi adiante e conseguiu, no final do ano passado, que a Justiça determinasse que a ex-mulher de Guilherme quitasse a dívida da indenização.