URGENTE: Jornalista é assassinada pelo próprio marido na frente dos filhos

Recentemente, um assassinato brutal chamou a atenção de milhões de internautas nas redes sociais. A jornalista Juliana de Freitas Alves foi assassinada a tiros, por seu próprio esposo, durante a virada do ano na cidade de Porto Seguro (BA), após uma discussão com o rapaz. A profissional tinha 41 anos de idade e, agora, sua família pede Justiça.

De acordo com as informações concedidas através de uma entrevista realizada pela família de Juliana para a RecordTV, a relação do casal havia acontecido de forma rápida. Reges havia tomado a decisão de se mudar do sul do país para poder viver em São Bernardo do Campo (SP), após Juliana engravidar.

LEIA TAMBÉM:  ‘Nojenta demais’: Ludmilla é detonada após comemorar hit gravado com Marília Mendonça antes do óbito

Não parando por aí, a família ainda informou que já havia escutado relatos sobre agressões verbais realizadas por Reges contra a esposa, contudo, não tinham ciência de nenhum tipo de violência física. Foi relatado, também, que o engenheiro não agradava de visitar os familiares de esposa e nem de recebê-los dentro de sua residência.

LEIA TAMBÉM:  Tragédia: Três crianças e duas adolescentes morrem afogados em um açude

Juliana, por sua vez, possuía uma boa relação com todos até o início da relação. “Ele afastou a família inteira dela. Ela falava que ele era uma pessoa extremamente estranha”, disparou um familiar, que tomou a decisão de não se identificar.

Segundo informações, foram apreendidos o total de três armas e muitas munições, que estavam na posse do marido. “Eu quero que esse monstro, psicopata, apodreça na cadeia”, desabafou um familiar.

Entenda o ocorrido:

Juliana de Freitas Alves, que trabalhava como jornalista, foi assassinada por seu próprio marido à tiros, no dia 31/12, momento que estava em Porto Seguro (10). A filha da profissional, de apenas 10 anos de idade, fruto de um antigo relacionamento, estava na residência no momento do ocorrido e, de acordo com algumas informações, a garota presenciou o crime.