Suspeitos confessam que tiraram a vida do jornalista e indigenista na Amazônia; local e motivação do crime foram reveladas

Um dos pescadores que foi detido pela Polícia Federal, no Amazonas, confessou que matou e esquartejou os corpos de Dom Philips, jornalista britânico voltado para o meio ambiente e do defensor da causa indígena, Bruno Araújo. O pescador ainda disse que colocou fogo no corpo dos dois.

Os dois estão desaparecidos desde meados do dia 5 de junho. Eles estavam rondando a região para escrever um livro sobre as invasões que ocorrem nas terras indígenas.

LEIA TAMBÉM:  Rejeição dos filhos, deserdada pelo pai e 5 cânceres: Ana Maria é a prova viva que o mundo dá voltas

Neste momento, os dois principais suspeitos no caso estão presos. Se trata de Osoney da Costa America e Amarildo dos Santos. Diversas testemunhas disseram que viram os dois seguindo a lancha que Dom Philips e Bruno Araújo estavam. Ainda foi informado que um dos suspeitos disse o local em que o crime teria acontecido e as autoridades já estão trabalhando no local para coletar mais informações do que teria ocorrido.

LEIA TAMBÉM:  Patrícia Poeta se cansa das críticas de Sonia Abrão, aciona advogado e é rebatida: ‘Não vem com intimidação’

A motivação do crime teria sido por conta de pesca ilegal. Os dois pescadores estavam realizando a pesca do pirarucu e foram alertados por Bruno e Dom Philips que ainda chegaram a fazer imagens dos dois pescadores.

Com isso, eles acabaram sendo rendidos e todo o crime aconteceu. Os corpos ainda foram jogados em uma vala. As autoridades não descartam a possibilidade de outras pessoas terem participado do crime.

LEIA TAMBÉM:  Intervenção válida? Simony é submetida a outro tratamento contra reações da quimioterapia

Apesar de britânico, Dom Philips morava no Brasil há 15 anos. Ele e Bruno tinham a causa indígena e a luta pelo meio ambiente como objetivo de vida.