Claudia Jimenez nunca perdoou a maneira como foi demitida do ‘Sai do Baixo’

Claudia Jimenez estava alegre dentro e fora da TV. A risada dissoluta foi a marca registrada da atriz, que aos 63 anos foi vítima de complicações cardíacas e câncer no tórax.

Ela não era uma mulher vingativa, porém, quando foi demitida pelo elenco de “Sai de Baixo” no final da primeira temporada em 1996, nunca aceitou o tratamento que recebeu.

LEIA TAMBÉM:  ‘A mulher preta não tem paz’, Jojo Todynho faz duro desabafo após comentários sobre sua vida pessoal

“Eu acho que eles têm todo o direito de me demitir. A sacanagem não foi a demissão, mas a maneira como as coisas foram feitas”, expôs na época ao ‘Jornal do Brasil’.

A personagem de Edileusa foi um sucesso, mas por trás dos encantos e bordões da empregada desta família imoderada de Arouche escondeu-se um artista descontente.

LEIA TAMBÉM:  Abatido, Roberto Carlos chega ao velório de Erasmo Carlos e dá último adeus ao amigo

Sem papas na língua, a atriz passou a criticar a qualidade dos roteiros e reclamar dos apelidos pejorativos associados a uma figura gorda.

Os espectadores riram da zombaria, mas a atriz experimentou rejeição na infância e adolescência quando nenhum menino a queria.

Ignorada em sua afirmação, a humorista passou a colocar ‘estilhaços’ nas falas de Edileusa para provocar o chefe dos roteiristas, Claudio Paiva.