Vendedor de 27 anos morre em menos de 24h, reclamou de tosse alérgica, mas era Covid-19

A cada dia que passa o número de mortos por covid-19 aumenta consideravelmente.

Histórias de vidas que se perderam vão sendo desenhadas e descobertas, logo ganham repercussão na mídia.

Diversas vítimas que morreram por coronavírus, acabaram não descobrindo que estavam infectados pelo vírus, pois apresentavam sintomas atípicos dos que vem sendo divulgados na mídia em geral pelos profissionais de Saúde.

E um desses casos foi de um rapaz de 27 anos, chamado Luis Ricardo Delfino pois ele acabou se tornando mais uma vítima da doença que vem assustando o mundo todo.

Ele faleceu no interior de São Paulo, mais precisamente na cidade de Sorocaba.

Horas antes de ter o seu hábito confirmado, ele contou afirmar que não estava se sentindo bem.

O paciente ficou menos de 24 horas sobre os cuidados médicos, e conforme as informações fornecidas pelos familiares a morte ocorreu no dia 16 de maio.

Nós do portal de notícias do Brasil Quiz News tivemos acesso aos prints onde é possível notar a conversa do vendedor com a sua irmã, o que ocorreu na madrugada do dia 15.

Nessa madrugada ele estava sendo atendido por profissionais em uma unidade de saúde.

Ele ligou para irmã querendo apenas conversar, porém ele não tinha condições de falar, pois estava com dificuldade respiratória.

Alguns minutos depois Luiz informou a sua irmã que o seu pulmão estava comprometido.

Alguns instantes depois, sua irmã Karina, retornou contato com ele dizendo sobre o mar possibilidade de transferência para Porto Feliz.

O município em que mora e que fica próximo a Sorocaba.

Porém o vendedor Luiz, não tinha a mínima noção do que se passava realmente com ele, já que pensava que tinha uma tosse alérgica.

“Estou com tosse alérgica e não consigo falar. Assim que conseguir e tomar o remédio eu te ligo”.

As palavras acima foram as últimas para a sua irmã.

A família de Karina, está vivendo um pesadelo em dobro, pois no dia 15 da mesma semana, a mãe foi vítima de um infarto.

Já no dia 15, ou pulmão do vendedor, não se encontrava em bom estado.

Luiz deixou a esposa que estava casado já havia dois anos.

A esposa conta que o casal sonhava em ter filhos.

“Amava meus filhos. Os [filhos] que ele não teve, eu tive por ele. Tinha amigos por todo lado e muito querido. Sempre falava de Deus e abençoava as pessoas, ajudava quem pudesse”, disse a irmã.

Conforme informações apuradas pela prefeitura, o paciente tinha diabetes e hipertensão, além de comorbidades.

A família de Luiz, confirmou que ele fazia uso de máscaras e álcool gel, logo não se sabe ao certo como vendedor se infectou.

De acordo com a irmã, ela acredita que com a má alimentação e a obesidade prejudicou o corpo no combate ao vírus.