Vaticano confessa que já sabia das denúncias contra o padre Robson e enviou representantes ao Brasil

Antes que a polícia civil e o Ministério de Assuntos Públicos iniciassem operações contra o desvio de fundos pela chamada “Associação dos Filhos dos Pais Eternos” de Afipe, o Vaticano estava ciente desse problema.

O acompanhou por meio de representantes da Ordem do Redentor, o deputado Alexandre Pinto Lourenzo esteve presente no encontro com os representantes em setembro de 2019.

Eles se conheceram em São Paulo, mas não se sabia se o Vaticano havia iniciado uma investigação, os delegados disseram ainda que foram pessoas da igreja que informaram o Vaticano sobre a situação da Trindade em Goiás.

O padre Robson testemunhou ao Ministério Público do Estado de Goiás e até admitiu que pagou ao chantagista sem vigilância policial, para o que usou o dinheiro de Afipe.

Segundo o padre, foram pagos 2,9 milhões de reais para evitar que chantagistas promovam o chamado amor, os defensores da religião afirmam que as informações do criminoso estão erradas e que eles são pessoas “extremamente perigosas”.

Vale lembrar que foi justamente por causa dessa extorsão que começou a temporada de pico Les Operation, o Ministério Público do Estado de Goiás começou a investigar o desvio de milhões de reais doados à Afipe por fiéis.

Mas acabou sendo desviado para outros fins, os materiais usados ​​pelos chantagistas para arrecadar dinheiro do Padre Robson indicam que ele está em apuros, de acordo com o primeiro relato, um dos hackers disse que também era parente do pastor e é assim que acessa dados sigilosos.

O pastor admitiu que cerca de 550.000 reais foram entregues a criminosos sem o consentimento da polícia, o padre Robson ainda está testemunhando. Ele disse que seu celular e e-mail foram hackeados, em seguida, ele começou a ser ameaçado.

Ele disse: “Se eu fizer algo errado, agirei de boa fé para tentar resolver,” parte do dinheiro transferido ao criminoso era em espécie, e o dinheiro foi deixado no carro estacionado em frente ao luxuoso apartamento em Goiânia, o padre Robson admitiu ter retirado o dinheiro do caixa de Afipe.