Troca de mensagens entre pediatra de Henry e Monique após a morte do menino chama atenção: ‘Ele chegou morto?’

Há alguns dias, a polícia Civil havia tido acesso a mensagens de Monique Medeiros, mãe do menino Henry, em sua conversa com a babá do garoto. Nas conversas, a babá, conhecida como Thayna, havia relatado as diversas agressões que o menino de apenas 4 anos de idade, vinha sofrendo por seu padrasto Dr. Jairinho. Dessa vez, mensagens trocadas entre Monique, e sua prima pediatra, apenas 3 dias após a morte do pequeno Henry.

Segundo informações do caso, Monique já havia procurado a ajuda da profissional, após perceber que Henry tinha dificuldades para se relacionar com seu padrasto. O garoto parecia ter muito medo de Jairinho, e segundo a própria Monique, chegava até mesmo a vomitar quando se aproximava dele. Ela também relatou para sua prima, que o filho se recusava a dormir sozinho, com medo do padrasto.

Alguns dias após essa primeira conversa, o menino foi levado já sem vida, por Monique e Jairinho, para um hospital na Barra da Tijuca. O laudo da necropsia realizada no corpo da criança apontou múltiplas lesões. De acordo com informações concebidas pela revista Época, três dias após a morte da criança, a pediatra de Henry entrou em contato com Monique questionando sobre o novo laudo no corpo de Henry.

A mãe de Henry, respondeu a sua prima, dizendo que um laudo detalhado havia sido enviado para a delegacia de polícia. Surpresa com tudo aquilo, a pediatra perguntou para Monique se ela não teria acesso ao documento. “Prima, me ajuda a entender. Consegui agora. Ele chegou morto, prima?”, perguntou Monique, ao entrar em contato com a pediatra, dias depois da última conversa. Tudo isso, chamou a atenção da polícia, que acredita que Monique e Jairinho mentiram em seus depoimentos.

O casal se encontra detido até o dado momento, por diversas acusações, e aguardam o desfecho e o julgamento do caso.