Ronaldinho Gaúcho e o irmão deixam a cadeia após seis meses de prisão, mas com algumas condições

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Roberto, logo depois de longos seis meses encarcerados no Paraguaí, ambos ganharam o direito a liberdade nesta segunda-feira dia 24 de agosto.

Os dois irmãos estavam presos em prisão domiciliar na cidade de Assunção, capital do Paraguaí, a justiça do Paraguaí aceito o pedido do Ministério Publico e entendeu, em audiência preliminar.

Entendeu que é necessária a “reparação de danos” ao Estado no caso de lavagem de dinheiro e falsificação de documentos, porém sem a necessidade da permanência dos irmãos no pais.

O ex-jogador permanecerá em liberdade condicional pelo prazo de um ano, enquanto Assis, dois anos, eles também serão obrigados a paga uma multa no valor de US$ 90 mil e US$ 110 mil, respectivamente, para a preparação dos danos sociais.

Seu irmão teria conhecimento da alteração dos documentos, não temos indicados no momento, de que Ronaldo de Assis Moreira tinha esse conhecimento ainda que se tenha valiado dele.

Por os perfieis dos irmão ” reconhecidas figuras mundiais”, como dito, autoridades entenderam que não haveria desejo de nem um em prosseguir com o crime.

No entando, a justiça paraguaia, exigiram moradias fixas dos irmão aqui no Brasil, para o controle das ações dos dois a cada quatro meses e mais multas que serão aplicadas nos irmãos.

Os advogados de defesa dos irmãos concordou com o pedido do MP, mas pontuou que, apesar de haver uma troca de mensagens de celular de Roberto com Wilmondes Souza Lira, acusado de falsificar os documentos, não é possível comprovar um suposto pedido para que adulterasse os documentos.