Prefeito de Manaus chora, pede ajuda e detona Jair Bolsonaro

Conforme relatado pelo prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, cresceu de 17% para mais de 35% o percentual de óbitos pela Pandemia em apenas um só dia.

O prefeito se mostrou muito preocupado com a situação em que se encontra a cidade nesse momento por conta da doença.

Logo devido a isso, ele se manifestou nas redes sociais, e afirmou que a crise está se complicando cada vez mais.

Está se caracterizando um certo colapso das possibilidades de atender, a situação de nosso estado é grave, situação é de calamidade pública mesmo”,

O prefeito mencionou que a cada dia em média de 20 à 35 pessoas são enterradas por dia, porém agora em um só dia esse número mais que doboru, pois foi contabilizado 121 sepultamentos por conta da Pandemia, isso em apenas um dia.

Um comitê de crise de óbitos foi criado na capital, pois o sistema funerário está altamente sobrecarregado, e não está dando conta de enterrar muita gente.

Nessa segunda 20/04/2020, o prefeito participou de uma reunião com o atual vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão.

Ele desabafou com o político, além de fazer duras criticas em relação ao abandono do estado.

O prefeito disse aos reportes após a reunião.

Vim para essa reunião dizer minhas verdades e não podemos mais esperar planejamentos para daqui a 15 dias e ficarmos vendo as pessoas morrerem”.

Bolsonaro no entanto ao ser questionado da situação, ele respondeu que não era coveio.

Logo os jornalistas perguntaram ao prefeito de Manaus, sobre o que ele achou da declaração do presidente, com lagrima nos olhos ele disse.

“Queria dizer para ele que tenho muitos coveiros adoecidos. Alguns em estado grave. Tenho muito respeito pelos coveiros. Não sei se ele serviria para ser coveiro. Talvez não servisse. Tomara que ele assuma as funções de verdadeiro presidente da República. Uma delas é respeitar os coveiros”.