PM mata namorada com tiro durante sequestro em universidade de Valença, RJ

Logo após o tiroteio, Janitom Celso Rosa Amorim, 39, foi imobilizado e agrediu a vítima na boca, Mayara Pereira de Oliveira Fernandez, de 31 anos, veio ao resgate ao longo da vida, mas faleceu no hospital.

O sequestro durou cerca de duas horas e meia, no estacionamento do Campus Central da Universidade de Valença, na zona sul do Rio de Janeiro, um policial militar matou a namorada com uma pistola de boca.

Na sexta-feira dia 27 de novembro após levar o refém no veículo, o sequestro durou cerca de duas horas e meia, pouco depois do tiroteio, o cabo Janitom Celso Rosa Amorim, de 39 anos, foi detido pela polícia.

Ele foi algemado e levado para a delegacia da cidade em um carro da polícia, o primeiro-ministro faz parte do 37º Batalhão de Resende e atua em Itatiaia, como policial militar, ele será transferido para o batalhão corporativo especial em Benfica.

No Rio de Janeiro, esta sexta-feira, a vítima foi Mayara Pereira de Oliveira Fernandes, 31 anos, estudante de pós-graduação na área de odontologia da instituição, ela foi resgatada por Samu e levada ao hospital universitário da cidade ao longo de sua vida.

Segundo os bombeiros que ajudaram no resgate, a jovem teve quatro paradas cardíacas no hospital, Mayara mora em Volta Redonda e trabalhou vários anos na clínica odontológica de Resende.

Por causa de outro relacionamento, ela deixou um filho de cinco anos, o sequestro começou aproximadamente às 10h30 da manhã. Segundo a universidade, a equipe de segurança viu os dois discutindo no carro e notou que o homem portava uma arma e chamou a polícia.

As tentativas de negociação envolveram policiais civis e policiais militares, Carlos disse: “A vítima estava no carro, a porta do motorista estava aberta, e o agressor com a arma na mão falava com o policial.

Ele falou, entrou e saiu do carro e esperamos a chegada do negociador”, representante Chefe Cesar Santos, uma equipe do Grupo de Intervenção Tática (ITU) do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) chegou ao local de helicóptero para auxiliar nos trabalhos.

“Por um tempo, um helicóptero sobrevoou esta universidade e imaginamos que eles se tornariam os negociadores de Bope, no entanto, de repente, ele abriu a porta do carro e atirou na vítima, ele não respondeu, o representante disse:” Aponte a arma para o carro e aceite a rendição. “