Pai de Henry faz revelações sobre pedido de mãe do menino após morte e aponta culpado: ‘Não tenho dúvidas’

As investigações do caso do menino Henry, seguem a todo vapor. Henry Borel de de Almeida, de apenas 4 anos de idade, chegou no hospital já sem vida, levado por sua mãe e se padrasto. Exames do Instituto Médico Legal (IML), alegam que a criança tinha diversas escoriações pelo corpo, apesar da mãe e do padrasto dizerem que o garoto foi vítima de uma acidente doméstico.

Após colher informações de diversas testemunhas nas últimas semanas, o trabalho dos peritos criminais, acompanhados da polícia Civil, foi encenar a cena do crime, no apartamento em que Henry esteve poucas horas antes de chegar ao hospital já sem vida.

Sua mãe Monique Medeiros, e o padrasto, o vereador Dr. Jairinho, não compareceram na reconstituição do crime, após serem orientados por seus advogados a não fazerem o mesmo. A defesa chegou a pedir uma remarcação da reprodução para outra data, mas teve o pedido negado.

O pai do menino Henry, concedeu uma entrevista exclusiva a revista Veja, e revelou fatos chocantes a respeito de pedidos de Monique, e do vereador, após a morte de seu filho. O engenheiro Leniel Borel afirma que quem causou a morte do garoto, foi a sua ex-esposa.

“Não tenho dúvidas de que Dr. Jairinho é culpado. Naquela noite no hospital, ele junto aos médicos que tentaram salvar o Henry o tempo todo. A princípio, eu achava que era porque também era médico, mas agora percebo que era para acobertar o que realmente aconteceu. Ele é muito frio”, relatou ele.

Leniel também conta na entrevista, que Monique havia deixado várias mensagens em seu celular, pedindo que o velório do filho fosse feito, com um caixão fechado, e de maneira rápida. “Expliquei de que jeito nenhum, que meu filho teria um velório e que eu tinha o direito de dar o último beijo nele. A minha ficha caiu mesmo quando o policial do IML me entregou o laudo”.