Morre paciente com suspeita de fungo preto no Brasil; outros casos foram confirmados

Um caso de uma doença assustadora, foi registrado em Em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Acontece que um paciente de de 71 anos, com suspeita de ‘fungo preto‘ (mucormicose), faleceu no último dia 2 de junho, e deixou moradores da região completamente assustados e alerta. Como se não bastasse, o homem também estava contaminado com a covid-19, e foi internado no  Hospital Adventista do Pênfigo. Em estado grave ele lutou, mas acabou não resistindo às complicações da doença.

O coronavírus se tornou um grande aliado para que o fungo preto atinja as pessoas, pois durante o contágio e pouco tempo depois da recuperação, os pacientes com Covid tem propensão a estar com a imunidade reduzida, assim, a mucormicose entra com mais facilidade.

Flávio de Queiroz Telles, que é médico infectologista, explicou um pouco sobre a doença, que anda assustando os pacientes contaminados com o novo corona vírus. “Os pacientes com COVID-19 têm mais risco de óbito por mucormicose. Mas a mucormicose tem taxa de mortalidade entre 50 e 70%, independentemente se o paciente tem COVID-19 ou outra doença de base (fator de risco). A mucormicose existe no mundo inteiro e aumentou em incidência na Índia porque o país tem uma das maiores incidências de diabetes no mundo, associada a uma das maiores taxas de pacientes com COVID-19 que estão internados em UTIs e recebendo altas doses de corticoides, para tratamento da COVID-19”, informou Telles.

Alguns dos sintomas mais comuns da doença, são:  hemorragia, febre e partes do corpo com aspecto escuro. O tratamento da doença, costuma ser bastante doloroso para o infectado, já que ele inclui cirurgias que acabam multilando-o, para a retirada da doença.

No Brasil, alguns casos confirmados de fungo preto já começaram a surgir. Um homem de 56, morador de Manaus foi o primeiro caso confirmado da doença. Infelizmente ele faleceu em abril. Em São Paulo, um outro homem, com aproximadamente 30 anos, está internado com a doença.