Médicos explicam motivo do óbito de aposentada de 54 anos que deu luz à gêmeas;

Uma aposentada de 54 anos, identificada como Rosemeire Aparecida Ribeiro, acabou falecendo em decorrência de uma parada cardíaca uma semana após conseguir realizar seu sonho de finalmente ser mãe, dando luz à gêmeas. Durante está última quarta-feira (21), o Portal ‘G1’ realizou uma entrevista com médicos profissionais, que comentaram a respeito do falecimento de Rosemeire.

De acordo com as informações concedidas pelos cardiologistas, há a possibilidade dos procedimentos realizados para fertilização terem ocasionado a denominada ‘gestação de risco’, que é classificado nas hipóteses em que a gravidez é realizada em pessoas abaixo de 15 anos e acima dos 35 anos de idade.

LEIA TAMBÉM:  Netinha de Datena é internada em estado grave com doença comum em crianças; fique atento aos sintomas

A vítima faleceu na cidade de Santos, localizado no litoral paulista, após ir até uma unidade hospitalar se queixando de falta de ar. De acordo com as informações concedidas pela irmã de Rosemeire, Célia Regina, foi informado que a aposentada havia se submetido a todos os procedimentos necessários para que a gestação pudesse acontecer da melhor maneira possível, objetivando sua própria segurança e das crianças antes de realizar a denominada fertilização ‘in vitro’.

Marcelo Pilnik, médico cardiologista, informou que a parada cardíaca sofrida pela aposentada se deve em decorrência de uma arritmia cardíaca, com o profissional apontando que a principal causa ocorreu por uma parada cardiorrespiratória.

LEIA TAMBÉM:  Claudia Raia explica como engravidou aos 55 anos e revela: ‘Eu tinha desistido’

Rider Nogueira de Brito Filho, também cardiologista, pontuou que, atrás de uma parada cardíaca, há a possibilidade de existir questões patológicas, que estão relacionadas a doenças ou coisas que estejam agredindo o organismo da vítima, ocasionando o óbito. Rider Nogueira enfatiza, ainda, que o último ‘ato’ é a parada cardíaca.

Métodos para engravidar

Para o site G1, Marcelo Pilnik ainda afirmou que não há uma ligação direta envolvendo os métodos realizados para que a aposentada pudesse engravidar e a parada cardíaca sofrida, no entanto, é necessário que tais métodos sejam realizadas com cautela. O profissional expõe que é preciso cuidado com a fosse de hormônios que serão usados em tais procedimentos, uma vez que, casos eles sejam usados de modo inadequado, poderão ocasionar os chamados ‘fenômenos tromboembólicos’.