Médico morre com Covid-19 dois meses após mulher pedir para ele deixar o trabalho em UTI: ‘Meu lugar é aqui’

Está pandemia do Coronavírus segue vitimando milhares de brasileiros e devastando famílias. Pessoas responsáveis por atuar na linha de frente contra está doença, médicos acabam se expondo de forma intensa ao vírus, e dificilmente não são infectados.

Numa escala global, um grande número de profissionais da saúde já morreram em decorrência deste surto viral. O caso mais recente é impactante foi a morte de Orlando Tavares Pinheiro.

O médico de 47 anos de idade atuava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da UPA da cidade de Santa Isabel, o mesmo foi infectado pela Covid-19, e Veio a falecer na última terça-feira dia 21 de julho.

Orlando sabia do grande risco que corria, pois ele era diabético. Mais seguiu na batalha conta o vírus, salvando vidas, até ser infectado. No mês de maio sua esposa Arlene Alves da Silva, que também é enfermeira pediu para quer Orlando deixasse o plantão da unidade do hospital.

Mais o marido recusou o pedido da esposa, Arlene foi respondida por um aplicativo de mensagens da seguinte forma. ” Cada um com seu papel, fui treinado minha vida toda para isso, meu lugar é aqui, na frente desta batalha, é o que eu sei fazer.”

Disse mais, ” Temos de nos cuidar, mas não dá para recuar. Eu amo muito você e as meninas, por isso me cuido, mas as vezes tenho um pouco de medo, acho que é normal, né?” Disse Orlando.

O casal estava casados há 14 anos, Orlando deixou duas filhas, uma de 13 anos e outra de 10 anos. Neste domingo dia 27 de julho, o médico completaria 48 anos de vida.

Segundo dados do Ministério da Saúde, entre os profissionais da área, os médicos estão no segundo grupo com maior números de mortes desde o início desta pandemia. Orlando foi diagnosticado com Covid-19 no dia 18 de junho, e faleceu no dia 21 de julho.