LUTO: Três irmãos morrem após quarto em que dormiam pegar fogo em Poá

Na madrugada dessa quarta-feira ( (17/02), na cidade de Poá no estado de SãoPaulo, três irmãos morreram carbonizados dentro do quarto onde dormia. Segundo as informações do corpo de bombeiros da cidade, as vítimas se tratam de duas crianças, um menino de 2 anos, outro com 9 anos, e uma adolescente de 14 anos de idade.

O caso chocou a cidade e o país, devido a forma cruel que as crianças morreram. Elas tiveram o corpos completamente carbonizados.

Os irmãos Gabriel Reis de Faria e Vieira, de 9 anos; Fernanda Verônica Reis de Faria e Vieira, de 14 anos, e Lorenzo Reis de Faria e Vieira, de 2 anos, haviam sido adotados pelo casal Ricardo  e Leandro José Reis de Faria e Vieira, mas após a separação dos dois, as crianças se limitavam a ficar uma semana na casa de cada um dos pais.

De acordo com os bombeiros, após perceber oi surgimento das chamas, Ricardo Reis tentou arrombar a porta para salvar seus filhos, mas após não obter sucesso, decidiu chamar por ajuda na delegacia mais próxima do imóvel.

“Ele veio pedir socorro na delegacia, porque as crianças estavam trancadas lá e ele não conseguia arrombar a porta. O policial civil foi até a casa e arrombou a porta. Em razão das chamas, não conseguiu avançar até o quarto” , explicou o delegado de polícia Eliardo Amoroso.

Os bombeiros contam, que quando chegaram, o fogo já tinha tomado conta da casa, por isso tentaram se limitar a diminuir o tamanho das chamas para adentrar completamente no imóvel. Eles iniciaram a exploração pelo cômodo dos fundos,. Em seguida, adentraram o quarto do meio, onde foram encontrados os três corpos, já carbonizados.

Leandro Vieira, um dos pais das crianças, que mora em Mogi das Cruzes, chegou ao local pela manhã e ficou completamente desolado.

Até o momento, não existe confirmação do que pode ter causado o incêndio.

Na tarde de quinta feira (17), a polícia pediu a prisão preventiva de Ricardo. O delegado disse que não se trata de acusações ou apontamentos, mas sim uma checagem do depoimento de Ricardo, que não teria ouvido grito das crianças. E também de outras questões, como o fato da porta do quarto em que as crianças dormiam estar trancada. A polícia nesse momento, trabalhar com várias possibilidades, do que pode ter levado ao início do incêndio.