Laudo complementar aponta que Henry agonizou por cerca de 4 horas antes de morrer; ferimentos foram gradativos

As investigações a respeito da morte do pequeno Henry de apenas 4 anos de idade, finalmente parecem estar chegando a seu fim. Diversas confissões, e laudos periciais estão sendo estudados neste momento. A Polícia Civil do Rio de Janeiro, conta que testemunhas foram ouvidas e documentos foram anexados no relatório final das investigações.

Informações concebidas pelo site IG, revelam que um laudo complementar foi realizado no corpo do garoto, mostrando como foram as últimas horas antes de sua morte. No laudo assinado pelo perito legista Leonardo Huber Tauil, foram respondidas cerca de 16 questionamentos feitos pelo delegado responsável pelo caso, Henrique Damasceno.

As investigações, seguem tentando descobrir, em que circunstâncias foram dadas a morte do menino Henry, no apartamento em que morava com sua mãe seu padrasto, o vereador Dr. Jairinho. O documento anexado ao inquérito aponta que o menino agonizou por cerca de 4 horas antes de falecer devido a uma hemorragia do fígado que foi lacerado. O perito afirma que o sangramento teve início entre 23h30 de 7 de março e 3h30 do dia seguinte. Henry chegou sem vida ao hospital.

Na última semana, Monique desmentiu sua primeira versão do caso, em que ela teria supostamente encontrado seu filho desacordado dentro do quarto em que dormia. A professora apontou que sue filho havia caído da cama, e por isso havia se machucado. Porém, o documento divulgado, mostra que as lesões de espalhadas pelo corpo da criança, foram feitas de maneira gradativa, em um longo período de tempo.

Henry, parece ter morrido em decorrência da hemorragia interna, após ter o seu fígado comprometido por lesões. Monique, sabia das agressões que o filho vinha sofrendo já a algum tempo, mas pareceu ser conivente com a situação do próprio filho. Seu padrasto o agrediu diversas vezes, e não foi denunciado pela sua namorada Monique, que por vezes tentou acobertar seu parceiro .