Grávida internada e bebê prematuro morrem por complicações da Covid; noivo desabafa: ‘a gente só queria viver’

A covid-19 assola o nosso mundo a mais de um ano, e em seu lastro de destruição, ela já ceifou a vida e os sonhos de centenas de milhares de pessoas. Entre aqueles que perderam seus familiares nessa pandemia, está o o analista de sistemas Renato Serrano, residente em Marília, que  perdeu a noiva e sua filha prematura por complicações do novo corona vírus.

Natália Siqueira, era uma mulher muito jovem, com apenas 30 anos de idade, e sem comorbidades, que acabou tendo a vida ceifada pela terrível doença. A mulher foi submetida a um parto de emergência, aos 6 meses de gestação,  mas infelizmente a bebê recém nascida acabou não sobrevivendo.

Impossível pensar em planos agora. A gente só queria ter a nossa filha, cuidar dela, reformar nosso apartamento, a gente só queria viver. A gente tinha vontade de fazer viagens, mas infelizmente foi tudo interrompido“, desabafou o noivo Renato Serrano em entrevista ao G1.

Segundo Renato, a noiva contraiu a doença do pai, que estava fazendo um tratamento contra um câncer de próstata e de garganta.  O pai de Natália não resistiu às complicações da doença, e acabou vindo a óbito no dia 7 de abril. O analista de sistemas conta, que no velório do sogro, toda a família já estava sendo contaminada, e apenas um dia depois, a noiva já começou a apresentar os sintomas da doença.

Natália foi e voltou do hospital algumas vezes, mas acabou sendo internada no dia 9 de abril. Devido a estar com os ânimos alterados, o noivo de Natália conta que ele teve que ser intubada. No período de um mês de internação, a jovem oscilou entre melhoras e pioras no quadro clínico. Neste mês, ela chegou a ser considerada curada da Covid-19, mas contraiu uma bactéria hospitalar, teve uma parada cardiorrespiratória no dia 15 de maio, e não resistiu.