Grávida do quarto filho, mãe de 22 anos alimenta a família com farinha e água suja

Segundo dados do IBGE, existem mais de 7 milhões de brasileiros sem alimentos, na zona rural de Belágua, no Maranhão, os pais só têm farinha e água suja para alimentar os filhos, Segundo informações do IBGE em Belágua.

Belágua tem 7 mil moradores, metade dos quais mora na zona rural, e cada família tem renda mensal de R$146, mas isso é apenas uma estatística, porque a situação real da família é diferente.

Aldeide e Zé Raimundo e seus dois filhos lutam para sobreviver, Ricardo, de dois anos, e Amanda, de 5 meses, não parava de chorar, as crianças choravam porque não tinham o que comer, Aldeide disse que ainda está amamentando um bebê de 5 meses.

Mas como a alimentação da mãe não é correta, o leite materno não dá para sustentar a criança, então ela não vai produzir leite, então a filha do bebê ainda pode mamar, seu marido Zé Raimundo está desempregado e não sabe como viver.

Havia apenas algumas garrafas de água na geladeira em casa, Edward chorou e disse que quando o filho pediu comida ele ficou muito angustiado e ela não deu nada.

O agente de saúde de Neide sempre fará uma lista para a família verificar o crescimento e desenvolvimento da criança e saber se há pacientes na casa, a conclusão é triste, a criança cresce mas não consome os nutrientes da idade.

Aldeide está quites Contato de estranho, diga ao agente, em outro lugar na frente da casa de Aldid, há outras famílias que sofrem da mesma fome, Maria José, de 22 anos, está grávida de seu quarto filho que vai nascer em poucos dias.

Mora com o marido e filhos para sustentar a família, o marido de Maria cultiva mandioca e, quando ela não tem nada, usa para comer farinha,  Maria molha a tapioca com água suja, e depois dá para as crianças comerem para matar a fome.

Maria disse que quando não tinha farinha e água suja para alimentar os filhos, eles bebiam café puro o dia todo, um especialista que estuda a desnutrição no Brasil há 40 anos disse que é inútil dar energia às crianças na forma de calorias.

Porque elas não vão consumir a gordura e a proteína necessárias para o desenvolvimento, as crianças extremas importantes são as principais vítimas.