Funcionária de escola é demitida por dar comida de graça para aluno e caso gera revolta e comoção ESPECIAIS Funcionária de escola é demitida por dar comida de graça para aluno e caso gera revolta e comoção

Recentemente um caso muito inusitado aconteceu em Canaam, New Hampshire, Estados Unidos. Bonnie Kimball era uma funcionária do refeitório da Mascoma Valley Regional High School e atuou lá por mais de 5 anos. A mesma sempre foi uma funcionária muito exemplar, até que uma fofoca atrapalhasse tudo e rendesse até sua expulsão.

 

Diferente de muitas escolas no Brasil, cujo dão merendas gratuitas, nos Estados Unidos as crianças para comer suas merendas precisam pagar um certo valor para ter acesso ao alimento. Certo dia, Bonnie acabou percebendo um comportamento estranho em uma das crianças. Logo ela conseguiu reparar que um menino próximo a ela não tinha dinheiro para pagar a comida de sua alimentação diária.

 

A mulher então se comoveu fortemente com a condição do menino, assim despertando sua solidariedade e fazendo-a colocar comida em sua bandeja de forma gratuita, porém orientou para o mesmo que a mãe dele desse o dinheiro da próxima vez. A criança agradeceu fortemente a funcionaria e pegou a bandeja indo comer, desta vez de graça, pouco diferente de outras crianças.

 

O que causou polêmica foi uma testemunha que pagou pela comida não gostar do gesto de solidariedade, a pessoa acabou não conseguindo ver como um ato positivo, e acabou dedurando o ato da funcionária a diretoria local, ato que acabou acarretando a demissão da funcionária.

 

Não demorou muito, e o caso viralizou na fortemente imprensa local. Diversos leitores e internautas ficaram fortemente revoltados por uma mulher ser demitida pelo simples ato de solidariedade, de matar a fome de uma criança que estava sem condições financeiras para o próprio alimento. Após a repercussão, a escola decidiu tomar uma decisão para reverter a situação e limpar a imagem da escola, pois a mesma estava recebendo diversas mensagens negativas, chegando até a receber fortes ameaças, a escola também estava tendo um alto nível de desaprovação dos pais.

 

Os gerentes e diretores responsáveis pela escola em questão, exigiram que Bonnie fosse reencontrada para uma possível reconciliação. Para recompensar a injustiça sofrida, a diretoria geral chegou a oferecer um cargo maior para Bonnie, com salário e condições melhores, porém Bonnie recusou o cargo e preferiu não retornar a seu antigo emprego, fato que também entristeceu alunos, pois a mesma tinha também um alto carisma e era recentemente lembrada pelos alunos.

 

Em entrevista para a CNN, Bonnie explicou claramente o motivo de ter se recusado a voltar ao trabalho mesmo com as novas condições: “Eles não estão fazendo isso por mim, eles estão fazendo isso para salvar a sua imagem”. Bonnie afirmou dizendo que não teria recebido tal proposta se o caso não tivesse passado por grande repercussão. Para a mulher, tudo não passa de uma falsa jogada para a escola ficar com a imagem “limpa” na cidade e no país.