Enfermeira que atua na linha de frente contra o coronavírus, revela não ter mais forças para continuar lidando com a pandemia

A covid-19 está causando um caos na sociedade brasileira, fazendo inúmeras vítimas e sobrecarregando o sistema de saúde, as prefeituras e governos estão com medidas de segurança cada vez mais rígidas para evitar que o vírus espalhe cada vez mais. 

Uma enfermeira que atua na linha de frente da doença revela que não possuí mais forças pra combater a doença, mostrando a dura realidade das equipes de saúde que diariamente estão arriscando suas vidas para salvar a de muitos da sociedade. 

Atualmente a doença registra mais de 1 milhão de infectados e contabilizou mais de 50 mil mortos, muito mais do que a grande maioria das catástrofes que ja ocorreram no nosso país. A enfermeira que não quis se identificar informa que as mortes causadas pelo vírus tocam todos da equipe médica. 

A forma como a doença mata não trás nenhuma dignidade ao ser humano, enterrados de forma coletiva em espaços improvisados pelo Brasil todo. A profissional de saúde também relata como as equipes estão sobrecarregadas, devido a grande carga horária e a frequente exposição a doença. 

Muitos profissionais se encontram afastados atualmente devido a contração do vírus, dificultando ainda para os enfermeiros e médicos remanescentes na luta. Muitas pessoas ainda subestimam a capacidade do vírus, não respeitando as medidas de precaução e se expondo de forma desnecessária com frequência. 

O principal pedido da enfermeira é a conscientização da população para que entendam a gravidade da situação eminente, vidas sendo perdidas diariamente em todos os hospitais do Brasil e os guerreiros responsáveis por lutar contra essa ameaça estão caindo aos poucos, vencidos pela exaustão e também pelo vírus em si. 

Muitos hospitais seguem com seus leitos de UTI super-lotados, não tendo espaço para levar os doentes, por isso muitos postos de saúde tem dobrado os turnos para atender uma quantidade maior de pessoas diariamente, filtrando a real necessidade de testes e internações, afirmando ainda mais os apelos da enfermeira sobre a população.