Dor e revolta: a esperada reconstituição do caso Rafael; mãe teria matado o próprio filho

A morte a morte que mais chamou atenção da mídia nos últimos tempos foi a de Rafael Winques, e nesta quinta-feira dia 18 de junho de 2020, a polícia civil começou a reconstituição do crime.

O caso repercutiu em todo o Brasil, pois ele é apenas uma criança de 11 anos de idade.

E o mais chocante de tudo isso é que suspeita do crime, é a sua própria mãe, Alexandra Dugochenski.

Ela inclusive, confessou a polícia que foi a responsável pela morte do garoto.

Porém conforme as palavras dela em seu depoimento, Alexandra não tinha intenção de matar o menino.

Ela relatou que deu um remédio ao seu filho, porém o mesmo foi forte demais, o que acabou provocando o óbito da criança.

Mais o estranho tudo isso, foi que a Alexandra, no início contou as autoridades policiais e a mídia que o filho estava desaparecido.

No entanto acabou sendo pressionada pela polícia, e revelou que escondeu o corpo do filho pois tinha medo de ser presa.

Mas a polícia acredita que a mãe de Rafael possa ter matado garoto intencionalmente.

E claro, a reconstituição do crime que levou a morte do menino, foi marcada por muita revolta, dor e tristeza.

A polícia, disse que toda a encenação do crime, durará cerca de 4 horas.

Que após este episódio importante na investigação do crime a polícia encerrará assim o inquérito.

Para que se insere o inquérito, os investigadores terão um prazo de 30 dias.

Uma das curiosidades que o público ainda não está entendendo, é que a mãe de Rafael, depois de confessar que matou a criança, anulou a própria confissão.

Além é claro de Alexandra, cinco peritos e mais quatro delegados participaram excessivamente da respectiva reconstituição.