Caso Henry: divulgada a causa da morte do menino, após semanas de investigação

Em seu primeiro depoimento para a polícia, Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel, apontou que seu filho havia sido vítima de um acidente doméstico. Porém, havia algo muito errado com essas versão dos fatos dada pela professora, já que no laudo pericial, foram constatadas 23 lesões, nada condizentes com um simples acidente doméstico, como havia apontado Monique. A mulher contou aos policiais, que seu filho havia simplesmente tido uma queda da cama de seu quarto, mas tudo não passou de uma forma de se livrar da culpa.

Ontem, quinta-feira (22/04), um novo laudo da perícia foi divulgado, e finalmente as reais causas da morte do menino vieram à tona. De acordo com as informações do documento, Henry veio a óbito, em poucos minutos, após uma hemorragia internada acontecer, devido a lesões provocadas em seu fígado.

O vereador, Dr. Jairinho, padrasto de Henry, é o principal acusado da morte do pequeno garoto. O padrasto praticou sessões de tortura no garoto, que foram descobertas através de diversas evidências, e principalmente após os relatos da babá de Henry, a jovem Thayná, que se encontra junto de sua família na zona rural. Após supostamente ter encontrado o garoto de apenas 4 anos de idade desacordado em seu quarto, o casal o levou para um pronto socorro, mas ele já estava sem vida quando chegou lá.

Monique e Jairinho tiveram sua prisão preventiva decretada, e vão cumprir uma pena de 30 dias, até a finalização do caso, que pode acontecer no dia de hoje (23/04). Os dois tentaram atrapalhar as investigações, e Jairinho está sendo acusado até mesmo de tentar mudar os testemunhos de terceiros a seu favor.

Monique está presa em Niterói. Neste momento, a professora está recebendo os devidos cuidados médicos por causa do recente diagnóstico de Covid-19. Jairinho também chegou a passar mal na cadeia e pediu atendimento profissional há poucos dias.