Caso Henry: delegado dá declaração de última hora sobre inquérito: ‘possível que sim’

A investigação a respeito da morte do menino Henry Borel, que foi levado morto para um hospital na Barra da Tijuca, pela própria mãe e o padrasto, parece estar finalmente chegando em um ponto decisivo. A informação dada pelo delegado Henrique Damasceno, titular da 16ª DP da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, mostra que o caso está em com seus dias contados.

O delegado Damasceno, é o principal responsável pelo inquérito policial aberto, para investigar a morte do pequeno Henry, e o possível envolvimento de sua mãe, Monique Medeiros, e o padrasto da criança, o vereador Dr. Jairinho. Até o momento, sabe-se que os dois podem ser indiciados por homicídio duplamente qualificado.

No início do mês passado, mais precisamente no dia 08, o casal foi preso temporariamente, após serem acusados de tentarem atrapalhar as investigações do caso. A prisão preventiva foi decretada por 30 dias, mas só na semana passada Jairinho  foi encaminhado para uma cela compartilhada, já que seguia isolado dos outros detentos, em cumprimento dos protocolos sanitários de prevenção a Covid-19.

De acordo com a CNN Brasil, o inquérito da morte de Henry Borel deve ser finalizado hoje. Na chegada à delegacia, o delegado foi questionado sobre o encerramento do inquérito para esta segunda. “É possível que sim”, afirmou Henrique Damasceno, mas ainda não se sabe se tudo correrá como planejado.

Após a finalização, o inquérito é encaminhado ao Ministério Público, que oferece a denúncia para a Justiça. Os indiciados colhidos pela Polícia Civil fizeram o delegado dizer, no dia 8 de abril, que havia provas contra Monique e Jairinho. Desde o início das investigações, a polícia colheu diversas oitivas de testemunhas, e também, vários laudos foram concluídos, mostrando que os dois provavelmente serão indiciados pela morte do garoto. Henry morreu em decorrência de uma hemorragia interna, provocada por uma laceração no fígado.