Caso Heloísa: morte de bebê em piscina tem reviravolta; laudo do IML descarta afogamento

No mês de março, a notícia que havia saído nos portais de notícia, era de que pequena Heloísa de apenas 1 ano e 2 meses de idade, havia morrido em decorrência de um afogamento, em uma piscina. Heloísa supostamente havia sido encontrada morta, dentro da piscina da casa, em que morava com sua avó e sua mãe.

Na versão do caso, dada pela mãe da menina, Heloísa havia sumido por alguns instantes de dentro de casa, e alguns minutos depois, foi encontrada já sem vida dentro da piscina. O programa Cidade Alerta, da RecordTV, acompanha os desdobramentos do caso e o laudo divulgado pelo Instituto Médico Legal (IML) chamou a atenção.

De acordo com o laudo, Heloísa não morreu de afogamento. O real motivo de sua morte, foi uma lesão na medula óssea. A divulgação do documento, tem causado discórdia na família, pois cada familiar tem uma versão diferente do que pode ter acontecido com a criança de 1 ano.

O advogado André Devitte, que representa a mãe e a avó materna de Heloisa, acredita que a menina tenha se acidentado, sofreu a lesão na médula e caiu na piscina em seguida. Já o advogado da avó materno de Helô, Felipe dos Santos Camargo, afirmou ao Cidade Alerta que a família duvida da versão de acidente.

“Realmente aconteceu alguma coisa que está sendo escondida. Não relatou ainda para gente o que aconteceu naquela casa com aquela criança”, afirmou Edson Nascimento, avô de Heloisa. Edson vai contra a versão dada pela sua filha, e afirmou com todas as forças que ela está mentindo. Até o dado momento, a investigação continua, e um inquérito está em aberto.

A família, e o Brasil inteiro, quer saber, como de fato foi a morte da pequena Heloísa, que até agora ainda é um mistério para todos.