Brutalmente assassinada, mulher recebia ameaças do ex-namorado desde a morte da filha de 4 meses

Na noite da última terça-feira dia 09 de fevereiro, ocorreu um brutal incidente feminino próximo à Vila Capixaba, em Carricaca, no Espírito Santo, na Espanha. Ao regressar do trabalho, a jovem Luana Demonier, de 25 anos, foi esfaqueada e matou 15 pessoas.

O suspeito é ex-namorado e se entregou à polícia nesta quarta-feira dia 10. Devido às ameaças e violência, as vítimas tomaram medidas de proteção contra seus antecessores.

Além da jovem, outras mulheres que eram parentes do homem também condenaram a mesma atitude. Em entrevista ao portal Tribuna Online, a irmã da vítima, que pediu para não ser identificada, disse que Luana havia sido alvo de ameaças de seu antecessor.

E tudo começou com a filha da jovem. No ano passado, o réu morreu com quatro meses de idade. “Quando ela foi trabalhar às 5h30 da manhã, ele a encontrou no ônibus. Minha irmã disse que ele começou a falar sobre a morte da filha que eles tinham.

Ele teve alta do hospital … Eles viveram juntos por cerca de um ano. A criança nasceu em 7 de janeiro, mas morreu quatro meses depois, após adoecer, Segundo reportagem do portal G1, Luana Demonier.

Utilizou um app de mensagens para alertar duas mulheres que também eram parentes do suspeito, a fim de avisá-la de que ela foi perseguida por ele na manhã desta terça-feira dia 09 de fevereiro.

Ela emitiu um alarme no áudio, descrevendo as roupas que seu ex-namorado estava vestindo e avisou que ela iria abrir um processo contra o homem novamente. “Não há nada a dizer sobre o comportamento.

Ele pode ter agido de forma muito violenta, mas isso não o eximiu da responsabilidade. cruelmente. Segundo Arruda, o crime brutal atingiu grande parte dos policiais envolvidos no caso e até mesmo a policial responsável pelo caso.

Rafaella Aguiar. O representante disse: “A Dra. Raphaela me confidenciou que esta foi uma das condutas mais impróprias entre os crimes que ela investigou e ela ficou profundamente chocada”.