A declaração da primeira brasileira a testar a vacina contra o novo coronavírus

A situação mundial da covid-19 é de extrema preocupação para todos. Gerando enorme caos e expondo as fraqueza de nossos país no quesito econômico, de saúde e empregos, tem se gerado enorme tensão entre os brasileiros. 

Com mais de 1,3 milhões de infectados e 54 mil mortos aqui no Brasil, é de extrema prioridade para o Governo Federal o combate da doença para que as vidas dos cidadãos retorne ao normal. 

Para combater o vírus, inúmeras empresas estão dedicadas a encontrar uma vacina que controle a doença, realizando teste de inúmeros vacinas promissoras e para isso muitos voluntários são necessários.

Denise Abranches foi a primeira voluntária brasileira que se propôs a receber uma vacina que está sendo avaliada contra a covid-19. Denise trabalha com odontologia no Hospital São Paulo e é uma integrante das 2 mil pessoas que foram convidadas a teste em Oxford, todas brasileiras. 

A doutora por ser brasileira e trabalhar no ramo da saúde, não possui nenhum tipo de proteção efetiva contra o vírus, estando frequentemente suscetiva a contrair a doença. 

Após alguns dias do teste da vacina ser realizado em Denise, ela se demonstrou muito grata por ter contribuído para a ciência e saúde. 

É meu dever como profissional de saúde contribuir com a ciência e trazer essa segurança para a população“. 

Os testes ainda não foram finalizados, mas o corpo de Denise apresentou bastante resistência ao vírus. No entanto as aplicações ainda são inconclusivas, não foram disponibilizados a venda em larga escala no mercado. 

O número de pessoas e profissionais que estão se juntando na luta contra a covid-19 estão aumentando de forma considerável, muitos estão se prontificando a receber uma vacina como é o caso de Denise, enquanto outros estão diariamente na linha de frente lutando e ajudando as pessoas que são suspeitas do caso. 

O governo tem apresentado uma série de medidas que estão sendo adotadas pelos estados e repassados para a população para diminuir cada vez mais a proliferação da doença.