Governo encomenda 100 milhões de unidades da vacina de Oxford; 1º lote chega em dezembro

Na tarde desta terça-feira dia 28, em entrevista para CNN Brasil, o secretário da Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros, afirmou que o governo de Bolsonaro já encomendou mais de 100 milhões de doses da vacina de Oxford contra o Covid-19.

Está vacina está na terceira e última fase de testes. Caso a imunização se comprove eficaz e segura, o primeiro lote poderá chegar no  Brasil  em dezembro. 

“Nessa encomenda está previsto o primeiro lote, para chegar em dezembro, e o segundo lote em janeiro. Muito em breve, se tudo der certo, nós teremos a vacina em dezembro com a ajuda de Deus e o esforço e trabalho de toda comunidade científica”, disse.

De acordo com com o secretário, são mais de 15 milhões de doses em dezembro e mais 15 milhões em janeiro. Ou seja, o restante, os outros 70 milhões chegara no país em lotes sequenciais em março.

Correia de Medeiros ressaltou que o Brasil tem a vantagem de poder produzir a vacina em território nacional, na fábrica Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz.

Em uma entrevista coletiva em Brasilia, o secretário executivo Élcio Franco, do Ministério da Saúde, justificou a opção de assumir o risco da pesquisa, pois mesmo sem a comprovação da eficácia do medicamento.

Caso não seja comprovada a eficácia, o secretario  de Vigilância em Saúde informou que não haverá aplicação da vacina, mas que permanece a transferência de tecnologia prevista no acordo para continuar avaliando soluções de tratamento.

Os testes da vacina do Covid-19 no Brasil foram anunciados no início do mês e deverão contar, de acordo com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), com 2 mil voluntários em São Paulo e com 1 mil no Rio de Janeiro, onde serão realizados pela Rede D’Or.