Dez anos após morte, agora é o filho quem pergunta onde está o corpo de Eliza

“Podemos colocar aqui a foto da minha mãe,” a moldura foi colocada no escritório simples da sala de Campo Grande, é assim que Bruno, de 10 anos, segue o curso online, olhando para a jovem sorridente.

De braços abertos diante do crachá do time paulista, ela não deixou lembranças, assim manteve a imagem de Eliza Samúdio, assassinada há apenas quatro meses, há 10 anos, como afirma a família, a história de Bruninho conhece o Brasil melhor do que os brasileiros.

O menino foi fruto de uma relação conturbada entre Eliza e o ex-goleiro Flamengo Bruno Fernandes de Souza, que acabou estrangulando o corpo de 25 anos de idade em 10 de junho de 2010, o corpo nunca foi encontrado e esse problema vem sendo atormentado pela mãe de Eliza.

Sônia de Fátima Moura, de 55 anos, que hoje é filho da vítima, “acho que é uma página que não posso virar, paro de vez em quando e me pergunto,” onde está o corpo dela, ” Bruninho não pode ir ao túmulo da mãe, não tem onde oferecer uma rosa.

O menino perguntou onde está o corpo da mãe,” Não tenho o que falar, disse que não sei,” desde julho de 2010, Bruninho mora com a avó no estado de Mato Grosso do Sul, ela, seu marido Ernani, seu filho e neto moram em Anhandui e vieram para Grandkamp há alguns anos.

Com a saída do filho Pedro, de 21 anos, a casa ficou vaga e ele se mudou para São Paulo há oito meses, os hábitos de vida desta família mudaram devido à nova pandemia de coronavírus (covid-19), o menino tem aulas virtuais na quinta série do ensino fundamental no período da manhã e à tarde e fica com a avó.

Há mais de um ano, o menino aprendeu parte da história, “ele sabia que seu pai estava na prisão e sua mãe estava morta, ele conhecia os fatos, ele perguntou muito diretamente,“ a morte da minha mãe é responsabilidade do meu pai, certo? Sônia acenou com a cabeça, mas não revelou detalhes.

“Não precisamos fazer isso com ele, conversamos, quando ele quiser saber de uma coisa, vai me perguntar,” ela prometeu que ele nunca procuraria informações na internet, em 2009, Eliza, que estava grávida, registrou um auto na polícia sobre ameaças, sequestros, lesões corporais e tentativa de aborto.

De acordo com uma denúncia judicial, em junho de 2010, quatro meses após o nascimento de seu filho, o amigo de Bruno, Luiz Henrique Ferreira Romão, de Macarrão, levou a modelo do Rio de Janeiro para Esmera à força.

A cena do goleiro de Darth (MG) foi trancada em uma prisão particular, de lá, foi levado para a casa de Marcos Aparecido dos Santos, ex-policial civil de Bola, e estrangulado até a morte, o corpo deveria ser um quarto, e a ocultação nunca foi esclarecida, a pesquisa terminou em 2014.