Bolsonaro confirma novo substituto do auxílio emergencial com este valor

A assistência de emergência deve ser paga até dezembro deste ano, após o pagamento dos benefícios, a intenção do governo é fazer um novo plano, a expectativa é que se gere renda de cidadão nessa época.

O novo plano deve substituir o plano de bolsa família e ser uma continuação do atendimento emergencial, no entanto, o governo enfrenta atualmente dificuldades em determinar a forma de financiamento da renda dos cidadãos.

Depois de falar publicamente sobre a renda do cidadão pela primeira vez e considerar os métodos de financiamento, o mercado reagiu mal e o governo se opôs, o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Afirmou recentemente que a assistência emergencial não se prolongará mais e que terminará definitivamente no final deste ano, Lauro Jardim, do jornal O Globo, afirmou que o presidente alertou Guedes sobre alternativas de ajuda emergencial.

Segundo o colunista, o presidente afirmou que a reposição deve entrar em vigor em janeiro de 2021, e que não deve ser inferior ao valor atual do restante do atendimento emergencial, de R$ 300 por mês.

O palestrante da proposta, senador Márcio Bittar (MDB-AC), informou que a versão final do plano da Renda Cidadã só poderá ser proposta após as eleições municipais, uma fonte envolvida nas negociações disse à Reuters.

“Tudo pode acontecer após a eleição,” o novo plano sempre foi um dos atuais pontos de conflito entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o Congresso, após a aprovação, o ministro negou ter concordado com a forma de financiamento.

Mais recente do plano, que previa a utilização de recursos do Funde e do Prêmio, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo continuará trabalhando para limitar os gastos públicos abaixo do teto.

Segundo o responsável pela carteira de investimentos, esta medida será tomada mesmo que seja necessário abandonar o novo plano social, nomeadamente o rendimento do cidadão, segundo Guedes, é melhor sair do banco sede do que expandir e criar um novo plano sem sustentabilidade financeira.